Empreendedorismo Negócios Digitais

Aumente suas vendas durante a crise

Quando a economia vai mal e a inflação sai de controle, a tendência é de retração no consumo. No entanto, aumentar as vendas nesse período exige senso de oportunidade e inteligência dos empreendedores.

Em tempos de crise econômica, há empresas que se reinventam e conseguem crescer, a despeito do pessimismo que toma conta do setor empresarial. A seguir, confira alguns exemplos de sucesso e entenda o segredo para sobreviver à crise.

1. IBM

Um dos casos mais emblemáticos de empresas que cresceram apesar da recessão econômica foi protagonizado pela IBM, na grande crise de 1930, provocada pela quebra da bolsa de valores de Nova York.

O executivo Thomas Watson investiu 6% do faturamento da empresa no centro de pesquisas, o que foi considerado uma atitude maluca. Mas a estratégia deu certo: devido ao investimento, a IBM foi a única empresa capaz de processar dados de 28 milhões de cidadãos beneficiados pela lei do seguro social americano, aprovada em 1935.

2. Lego

A crise de 2008 também vitimou muitas empresas, principalmente nos EUA. A solução encontrada pela Lego diante da estagnação de consumo de brinquedos foi procurar novos mercados: a companhia teve um crescimento de 63% no faturamento em 2009, depois de investir na Europa e Ásia.

Muitas vezes, a crise exige que as empresas se reinventem e analisem possibilidades que eram deixadas de lado até então. Hora de olhar para a sua empresa e questionar: “Estou aproveitando as oportunidades?” — Reflita, faça um estudo de mercado e descubra se existem opções que você ainda não levou em consideração.

3. Amazon

A inovação foi a palavra-chave para que a Amazon conseguisse aumentar as vendas em 28%, em 2009 (enquanto a concorrência enfrentava problemas). Para isso, a empresa entendeu o comportamento de seus consumidores e adaptou seu “Kindle 3” para atender a demanda verificada, incrementando funcionalidades e melhorando o dispositivo.

Agregar valor é o segredo

Cortar luxos e viver com o essencial: é a lógica mais comum quando se fala do comportamento dos consumidores durante a crise — Se você também pensa assim, talvez seja hora de rever os seus conceitos.

Existe uma parcela de consumidores conhecida como “econômico extravagante”, que deriva da expressão em inglês “save and splurge“. Para essas pessoas, vale a pena cortar gastos básicos para manter pequenos luxos. Um exemplo: comprar um papel higiênico mais econômico para manter a TV por assinatura.

Independentemente do seu ramo de atuação, a dica é comprovar a importância do produto que você vende ou do serviço prestado para os clientes — Em outras palavras: agregar valor. Quando o consumidor percebe a importância da sua empresa para a própria rotina ou bem-estar, é menos provável que ele corte seu produto do orçamento.

Além disso, é preciso ficar atento às oportunidades (como nos exemplos citados), pois a retração de consumo pode significar uma mudança de hábitos favorável à sua empresa — Desde que você tenha capacidade para percebê-la e saiba reagir no tempo certo.

Sobre o autor

Empreendedor Magnético

Deixe um comentário